23 March 2008

.
.
.
.



Ainda haverá música um dia?





subitamente às vezes penso




um terror absurdo

que é da menoridade

.

.

a música

a arte

.

.

.

tudo aquilo em que precisamos de reclinar um pouco a cabeça.


.
.
.
Vergílio Ferreira, in Alegria Breve
.
.

Imagens,

Werner Branz. Sem título
Vladimir Lestrovoy. A musician looking for his ear
Phillip Halsman. Dali Atomicus
Vladimir Lestrovoy. So sad...
.
.

.
.

6 comments:

Anonymous said...

Encheria páginas a comentar, mas não o farei, limitando-me.

Cervantes escreveu um dia que onde há música “não pode haver coisa má”.
E na verdade, ainda que muitos cultivem a música, poucos a compreendem, embora todos digam percebê-la.
Que música?
Opiniões mil.
Todos falam de Mozart, Beethoven, Chopin, Brahms…quantos os conhecem? E as suas obras?
Música.
Nem sempre pausa, nem sempre tranquilidade.
Muitas vezes inquietação, energia, rasgo.

Vergílio.
Acredito que se encantasse com o silêncio que se segue a um trecho de qualquer compositor.
Porque esse silêncio…ainda é dele.

eusébio

teresamaremar said...

Vergílio Ferreira, um arrependimento. Teria sido tão simples haver convivido com ele. Mas a preguiça, o adiamento. Contudo tão perto. E depressa se fez tarde.

CC said...

Alegria e breve são sinónimos perfeitos. Vergílio sabia-o. E nós também.

Grande abraço.

peregrino said...

(…) Um piano, toca-se uma tecla, o instrumento cumpre-se logo todo. O violino. Não é assim. As cordas ásperas, os meus nervos raspados – mas não o ouço. O violino. Melodia antiga, na perfeição da memória. Na distância aérea da minha imaginação. Casa deserta, o silêncio de uma tarde quente. (…) Um violino ao tamanho da minha solidão. (…) Ninguém canta lá em baixo. Só o espaço aberto para lá da janela. A terra suspensa. O ar imóvel.

Vergílio Ferreira, in “para sempre”.


Pela música e por Vergílio é que vamos…

Sebastião da Gama que me perdoe. :)

Presença said...

Descanso preciso... em alguém que te guarda

bjo doce

hora tardia said...

haverá sempre música. a tua.

a que compões com a mestria de quem sabe colher as raizes ....


.




beijo-te.


.