15 April 2008

.
.
.
.
.
.

Como é que se despe um corpo?
.
.
.
.
.
Não precipites a resposta, não lances já as mãos inquietas sobre a roupa. Demora-te.
Começa pelo princípio. Pergunta primeiro: o que é despir um corpo?
Libertá-lo do que lhe pesa.
Do que o esconde.
Expô-lo.
Mas principalmente:
Procurar entender.
Ler. Para além da superfície.
Começar com a nudez. De qualquer modo, é sempre assim que se começa. Com o mundo a exercer pressão sobre a pele. Lembrando que viemos apenas ocupar mais uma porção de vazio. Mas. Os vazios não passam de pontos de partida.



.
.
.
Pedro Jordão, in Revista NU, Março de 2004
.

imagens, Vladimir Lestrovoy
.
.

9 comments:

peregrino said...

Só a nudez é natural e autêntica; tudo o resto são disfarces, adornos, atavios, máscaras...
Falo, essencialmente, das palavras. :)


Bonito excerto.

Boa-noite!

santiago said...

é estranha a sensação que sinto quando passo por aqui.
é como quando visito os lugares da minha infância: tristeza e felicidade ao mesmo tempo...

Pedrita said...

muito lindo. beijos, pedrita

teresamaremar said...

Lugares da infância... nostalgia pelo tempo ido, e felicidade pelo que a memória conserva.
Curiosamente senti ontem isso mesmo, quando, depois de décadas, voltei à minha escola primária. Uma mistura agri-doce enquanto percorria os espaços, entre o sorriso e o nó que se apertava.

rigi said...

o passado não existe. é pó.

teresamaremar said...

:) boa noite Rigi

pode ser pó, sussuro, suave brisa,... mas existe, pois caminha ao nosso lado (para não dizer cá dentro), acompanha-nos (por vezes persegue-nos). E ainda bem que assim é, ou não teriamos história pessoal.

O passado é pó... ok, seja, pó histórico :)

obrigada por ter vindo
Boa semana

anad said...

Que belo texto.
Um abraço
Anad

Anonymous said...

I found this site using [url=http://google.com]google.com[/url] And i want to thank you for your work. You have done really very good site. Great work, great site! Thank you!

Sorry for offtopic

Luis Bento said...

Magnífico! Conceptualmente irrepreensível! Uma viagem sem rede pela terra dos sonhos.
É para voltar...