19 October 2007

Em Despojamento

.

. Benedita Kendall
.
.
Dentro de um caixote ou dentro de um móvel de ébano precioso vou pôr a guardar as vestes da minha vida.
As roupas azuis. E depois as vermelhas, as mais belas de todas.
E a seguir as amarelas. E por fim de novo as azuis, mas muito mais desbotadas estas últimas do que as primeiras.
Vou guardá-las devotamente e com muita tristeza.
Quando vestir as roupas negras e quando morar dentro de uma casa negra, dentro de um quarto escuro, abrirei de vez em quando o móvel com alegria, com desejo e com desespero.
Verei as roupas e lembrar-me-ei da grande festa - que será nesse momento de todo finda.
De todo finda. Os móveis espalhados desordenadamente dentro das salas. Pratos e copos partidos no chão. Todas as velas gastas até ao fim. Todo o vinho bebido. Todos os convidados idos. Cansados alguns estarão completamente sozinhos, como eu, dentro de casas escuras - outros mais cansados terão ido dormir.
.
.
Konstandinos Kavafis, in Vestes
.
.
.

4 comments:

peregrino said...

Profundamente triste. E belo.

Quando estás mais longe, e a névoa sobe no horizonte para além dos montes do sonho, subo lentamente as escadas do labirinto e entro no sótão, utilizando a chave de cristal que um dia recebi da concha aberta da tua mão generosa.

Sento-me então numa cadeira de balouço muito antiga e abro as arcas, uma a uma, onde, furtivas, se enclausuraram as nossas alegrias e mágoas. Onde os doces sorrisos se confundem, nos dedáleos meandros, com a saudade que orvalha e magoa e jubila na dispersão dos dias. Na convergência dos segredos. E abro os livros velhos, para mim sempre novos, como se pétalas frescas de rosas vermelhas eternamente renovadas.

Depois, tu entras pelo silêncio da noite e sentas-te a meu lado. E sorris-me. No ardor das horas mansas que não morrem, ao som de qualquer estação de Vivaldi. Com perfumes a cravo e magnólia, lentamente rescendendo das arcas de todas as memórias. E ali ficamos, por dentro do nosso silêncio cíclico, até que Jano abra, pela alvorada azul das estrelas, um novo dia.

teresamaremar said...

Profundamente belas, estas palavras peregrinas.
Pétalas frescas a perfumarem Kavafis.

Grata por elas.

Um bom dia, Peregrino.

isabel mendes ferreira said...

bebo a música!!!!!



soberbo "cálice"



derreto o texto.


re-leio o comentário (belíssimo) do Peregrino.

e emigro.


de alma lavada. vestida de azul. denso.



beijo.Te.

teresamaremar said...

Hora tardia esta, em que te encontro...

emigro eu, ao sabor das horas que sobram


Beijo Y